Tagilde/S. Paio quer a desagregação das freguesias

Assembleia de Freguesia de Tagilde e Vizela (S. Paio) esteve ontem reunida.

A Reorganização Administrativa do Território das Freguesias ditou a junção de Tagilde e Vizela (S. Paio), mas desde o início que foram várias as vozes que mostraram descontentamento com esta agregação.

A Assembleia de Freguesia de Tagilde e Vizela (S. Paio) vai enviar uma carta para a Assembleia da República para pedir a desagregação das duas freguesias. O assunto foi levantado ontem por Fátima Coelho, a presidente da Assembleia de Freguesia, que quis ouvir a opinião dos deputados sobre a matéria.

Paulo Monteiro, da CDU, não esteve presente na sessão e os deputados socialistas não se pronunciaram sobre o envio da missiva. Entre os deputados, apenas Diana Silva, da coligação PSD/CDS-PP, deu a conhecer o seu entendimento sobre o assunto. Para a deputada trata-se de uma questão eleitoralista e que não está devidamente fundamentada: “A apresentação deste documento - que será entregue na Assembleia da República – neste preciso momento é um “timing” que para mim é eleitoralista, porque se tivesse interesse em defender os sampaienses e os tagildenses este era um assunto que já tinha sido tratado desde o primeiro dia em que tomou posse, em 2013”.

“Temos que fundamentar aquilo que apresentamos e nisso a senhora presidente da Mesa [Fátima Coelho] não foi de todo competente nem coerente”, disse Diana Silva no final da sessão.

Em declarações à Rádio Vizela, a deputada da coligação entende que “se a população [num referendo] disser que não quer a agregação das freguesias, como tivemos nos últimos três anos, obviamente que terei que salvaguardar os interesses da população quer de Tagilde quer de S. Paio”.

O envio da carta para a Assembleia da República foi votado na Assembleia de Freguesia e contou com os votos a favor do PS e o voto contra da coligação PSD/CDS-PP.

António Ferreira, presidente da Junta de Freguesia, mostrou-se favorável ao envio da carta para a Assembleia da República, embora enalteça que houve aspetos positivos com a agregação das freguesias, nomeadamente, a ligação efetuada entre os Parques de Lazer de Tagilde e S. Paio. “Acho que já estamos muito em cima e não me parece que a um ano de eleições alguma coisa vá acontecer”, disse o autarca à Rádio Vizela. Para António Ferreira, “se a desagregação viesse tudo bem, mas que fique bem claro que me sinto muito bem com a população de S. Paio e de Tagilde”. “Não há nenhum problema com a população, trata-se apenas de cada um voltar ao que já tinha”.

“Não concordo de todo com a Diana Silva quando ela fala de eleitoralismo. Tentámos com as armas que tínhamos - que eram poucas, já no mandato anterior, no tempo em que estava com o senhor Monteiro [ex-presidente da Junta de S. Paio] - fazer alguma coisa, portanto não concordo com Diana Silva”.