Rádio Escolar Online vence Orçamento Participativo Jovem

Projeto vencedor do Orçamento Participativo Jovem (OPJ) de Vizela foi esta tarde divulgado.

Eram quatro os projetos em votação no OPJ deste ano. Em quarto lugar ficou o projeto “Cultura 19”, que obteve 10,18% dos votos; em terceiro ficou a proposta da “Árvore solar”, com 16,49% dos votos; o segundo lugar foi para o projeto de “Cinema ao ar livre”, com 25,96% dos votos; e o primeiro classificado, a “Rádio escolar online”, que reuniu 47,37% das votações.

O projeto vencedor será gerido pelo curso de Multimédia da Escola Secundária de Vizela (ESV), contudo é objetivo que a rádio tenha estúdios nos dois Agrupamentos de Escolas do concelho, concretamente na ESV, na EB 2,3 de Vizela e na EB 2,3/S de Infias. Nesta quinta-feira, o porta-voz do projeto vencedor foi Pedro Ribeiro que, em declarações à Rádio Vizela, explicou o que na sua opinião distinguiu o projeto vencedor dos restantes: “O que distinguiu o nosso projeto foi o facto de ele ter grande continuidade e [o facto de] que ia fazer bem [ser uma mais-valia] para as escolas e para os alunos que as frequentam”. O jovem de 16 anos de idade referiu a preocupação que o seu grupo teve com a divulgação do projeto e, para tal, distribuíram “flyers, posters, panfletos”, criaram “uma página no instagram e no facebook” com o objetivo “de angariar votos”. O próximo passo, garantiu, passará por “colocar estúdios nas escolas”.

E o que mais gostou com a participação neste OPJ? Questionámos Pedro Ribeiro: “O convívio que tive com os meus colegas durante a preparação deste projeto”.

 

Executivo satisfeito com aumento dos votos face à edição de 2017

 

Antes de ser anunciado o projeto vencedor, Jorge Pedrosa, vereador da Juventude da Câmara Municipal de Vizela (CMV), referiu que terminada a parte burocrática, segue-se “a implementação do projeto” vencedor. “É vontade deste Executivo o quanto antes, este ano, também possa ser implementado esse mesmo projeto”, disse o vereador.

Para Jorge Pedrosa, “fruto de uma divulgação de proximidade” foi possível aumentar o número de votações. “No ano passado tivemos 48 jovens que votaram e este ano atingimos cerca de 300”, referiu ainda.

O presidente da CMV também se mostrou satisfeito com o aumento das votações e falou da importância, uma vez mais, do OPJ enquanto um instrumento que permite a participação cívica dos jovens. Victor Hugo Salgado deixou também uma garantia no seu discurso: “O que se passou no passado não se irá verificar este ano. (…) A forma como este Executivo olhou para a necessidade de tratarmos este assunto com alguma sensatez, com alguma preocupação e responsabilidade permite-me afirmar que os problemas que nós tivemos no OPJ do ano passado não os teremos neste, porque fizemos todas as avaliações que eram necessárias no sentido de percebermos a exequibilidade ou não dos projetos apresentados antes das pessoas votarem”.

 

PUB___