“Tudo leva a crer que terá sido fogo posto”

Acredita Victor Hugo Salgado, presidente da Câmara Municipal de Vizela.

“Uma enorme tristeza, aqui no local, consegue-se constatar que parte do edifício acabou por arder esta noite. Hoje o tempo não estava quente, atendendo a que não houve vento de noite, atendendo a que o edifício já não tinha eletricidade, tudo leva a crer que terá sido fogo posto”, reagiu o autarca vizelense, também responsável máximo da Proteção Civil Municipal. “Esta situação em apreço, vem dar razão ao Executivo Municipal na vontade de colocar em hasta pública o edifício, transformá-lo num hotel e resolver definitivamente esta questão”, acrescentou.

Em causa um dos símbolos da terra, mandado construir em 1905 por Armindo Freitas Ribeiro Faria, para acolher os Paços do Concelho. No início deste ano, a venda do edifício foi proposta em hasta pública por um valor base de 1,4 milhões de euros, com a condição de vir a ser transformado num hotel de 4 estrelas. Não apareceu nenhuma proposta. Agora, Victor Hugo Salgado, garante que a estratégia de venda se mantém. “O futuro perspetiva-se naquela estratégia que a Câmara Municipal de Vizela tinha adotado, depois da hasta pública ter ficado vazio, havia o objetivo da Câmara retomar esse processo em reunião camarária. Apareceu o Covid-19, houve uma paragem, mas será retomado o mais rápido possível”, garantiu o edil.

11 de junho de 2020 ficará marcada como uma data triste para Vizela: “Em particular para todos aqueles que valorizavam e valorizam este edifício como referência do nosso concelho”.

Quarenta por cento do edifício do Castelo da Ponte foi destruído esta madrugada pelas chamas. A Polícia Judiciária vai investigar esta ocorrência.

PUB___