Vizela tremeu, rugiu até...

Fátima Anjos

2022-12-07

Partilhe:


Foi uma semana intensa, esta última. Na quarta-feira sentimos o abalo do despedimento de Álvaro Pacheco. E Vizela tremeu, rugiu até… 

O regresso à I Liga de Futebol do FC Vizela significou talvez, depois da criação do concelho de Vizela, o dia mais feliz que os vizelenses viveram juntos. 
E o regresso à I Liga de Futebol do FC Vizela significa hoje que, em qualquer ponto do país onde estejamos e falemos das nossas origens, é do nosso Vizela que se lembram em primeiro lugar. O futebol jogado na I Liga tem este poder e o FC Vizela é, à data de hoje, sem dúvida, o maior estandarte do concelho. E até à última quarta-feira, era conhecido como o FC Vizela do “Pacheco”, o treinador que levou o clube desde o então Campeonato de Portugal até ao patamar máximo do futebol português.

O Mister não é uma pessoa comum. É carismático. É genuíno, caraterística de quem é simples, trata todos com respeito e não se deixa conduzir pelo ego. Álvaro Pacheco é muito mais do que o treinador da boina, era só ouvir falar de quem percebe de futebol, comentadores e relatadores desportivos, elogiarem a forma de jogar do FC Vizela, um futebol aguerrido, que não se prende à defesa, e que vai à frente procurar o golo, mesmo que ele nem sempre tenha acontecido. O Mister fez do FC Vizela um clube que caiu nas “graças”, até, da Comunicação Social em geral.
O Mister só não é uma lenda, porque ele é real. E todos sabíamos que a sua estadia em Vizela não seria eterna. Doeu mais porque a sua saída chegou sem aviso e foi contra a sua vontade. Talvez um dia tudo fique mais esclarecido. Até lá, esperamos que a caminhada de Álvaro Pacheco continue a ser recheada de conquistas, porque ele continuará a ser um de nós, um “vizelense de coração”. E será sempre assim recebido em Vizela. Não há dúvidas sobre isso.

Mas depois desta separação que, como qualquer outra deixa marcas, é tempo de começar a limpar as feridas e olhar em frente. Hoje, na dimensão em que se encontra o FC Vizela, este não dispensa a presença de uma SAD e, apesar de podermos concordar ou discordar com as suas opções, esta tem poder para as tomar. Neste momento, não se perspetiva fácil uma reaproximação com a massa associativa, mas esta será qause inevitável, a favor de um bem maior: o FC Vizela.