NUMA LUTA DE ELEFANTES PERDE O CAPIM

Manuel Marques

2024-02-29


Um humilde queijeiro da Serra tinha a decorrer em tribunal um processo interposto por um poderoso latifundiário que lhe queria abocanhar uma pequena bouça. Um dia, o seu advogado (um rábula), disse-lhe que a previsão era de que iria perder o processo. Não rendido, o pobre queijeiro perguntou ao seu defensor: “Ó senhor doutor, e se eu oferecer um queijo dos meus ao senhor doutor juiz?...”
O advogado foi às nuvens irado e respondeu incrédulo: “Nem pense nisso! Com este juiz, incorruptível como ele é, então é que a questão estava irremediavelmente perdida. Tire essa ideia estúpida da cabeça?”. 
No final do julgamento aconteceu daqueles milagres que vagamente acontecem no futebol quando um pequeno clube ganha a um grande. 
O queijeiro venceu a questão. O advogado apertou a mão ao humilde queijeiro e disse-lhe: “Parabéns, vencemos. O caso estava mal encaminhado, mas ganhamos. Foi uma grande vitória”.
Ainda na sua humildade, o queijeiro respondeu ao advogado numa voz sussurrante: “Está a ver senhor doutor como foi boa ideia dar o queijo ao senhor doutor juiz”?!!!
O causídico não queria acreditar no que ouvia e exclama: “O quê, você deu um queijo ao juiz?”
- “Dei sim, senhor doutor, mas disse que era uma oferta da outra parte”.
Esta narrativa, um pouco idêntica à da heroína Deu-la-deu Martins que com um saco de farinha enganou e venceu o cerco dos soldados castelhanos ao castelo de Monção, leva-nos a uma simples conclusão: a inteligência (e a persistência) vence mais que todas as questiúnculas.  Num tempo em que evocamos o centenário do maior lutador pelo concelho de Vizela, Manuel da Costa Campelos, vizelense inteligente que nunca atirou a toalha ao chão numa luta em que acreditava, apesar de tantas vezes assolada por derrota atrás de derrota, é urgente pegar no exemplo desse brilhante antigo diretor do FC Vizela (ou nos exemplos do queijeiro e de Deu-la-deu Martins), para num toque de inteligência ultrapassar o calvário pelo qual passa o Futebol Clube de Vizela. 
Não há grandes vitórias sem grandes dificuldades.  Com atitudes divisionistas, com amuos, coices, ameaças, impropérios, e candidatos a maciços e a guardas-pretorianos, que usam cobardemente a intimidação ,não vamos lá.
O amor ao FC Vizela é tudo ou nada, se não for tudo, não serve para nada.