Desporto em liberdade

Zélia Fernandes

2020-06-25

Partilhe:


1- Nos últimos dias temos assistido ao regresso gradual das atividades desportivas, ainda que apenas para treinos e com muitas restrições e medidas de segurança. E se o futebol continua parado, são as outras modalidades que vão desconfinando, sendo notória a alegria no rosto dos jovens atletas, pelo regresso ao terreno. Os treinos online ficam finalmente para trás, todos concordam que foi uma experiência interessante e gratificante, mas também todos dizem que é bem melhor sentir o sol e o vento no rosto, quando treinam na sua modalidade de eleição. Ténis, basquetebol, atletismo e patinagem são alguns dos exemplos das modalidades que já treinam no terreno, ainda que sob muita adaptação, pois algumas são modalidades praticadas em pavilhões, como são exemplo o basquetebol e a patinagem e agora reinventam-se em espaços ao ar livre, enquanto não são reabertos os espaços que habitualmente utilizam. As competições desta temporada já foram todas anuladas e por isso, treinadores e atletas aproveitam este período para os treinos antes das férias e também para a captação de novos atletas. Devagarinho, as coisas vão retomando a nova normalidade, apesar de existirem ainda dúvidas de que as datas normais para o arranque da nova temporada, possam ser cumpridas. 2- No futebol, apenas mexe o futebol de primeira, mas acho que os adeptos se perguntam, será mesmo este o futebol de primeira? Nesta retoma da Liga Portuguesa joga-se um futebol de baixa qualidade, sobretudo pelas equipas chamadas “grandes”. Os jogadores denotam falta de empenho e vontade em muitos jogos, em contraponto com os seus colegas de profissão, que jogando em equipas mais pequenas, ao nível dos orçamentos e salários vão contribuindo para dar algum espetáculo nos jogos realizados e que os adeptos portugueses vão acompanhando na televisão. O apoio dos adeptos estará a fazer mais falta às equipas grandes do que às outras? Esta é uma questão alvo de muitas dúvidas e se for mesmo assim, o clube mais prejudicado com esta decisão da realização dos jogos à porta fechada será o Benfica, o emblema que regista de longe a maior média de espectadores nos jogos realizados em casa cerca de 52 mil. Já o FC Porto e o Sporting, os clubes que se seguem nesta lista, também parecem sentir falta deste apoio. Uma coisa é certa, com esta perda de pontos, que vai acontecendo a cada jornada, no topo da tabela classificativa, parece certo de que iremos ter luta pelo titulo nacional, até final da temporada, o que acontecerá em finais de julho. Apesar do mau futebol, o principal campeonato português segue muito competitivo, adivinhando-se ainda luta renhida pela presença na europa e também no que se refere à descida. Matematicamente tudo pode ainda acontecer, pois há ainda muitos pontos em disputa. Pede-se por isso, mais qualidade e empenho no futebol praticado.