Como fazer a diferença na construção da paz?

Carminda Faria

2022-09-22

Partilhe:


Em 2002, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou oficialmente o dia 21 de setembro como o Dia Internacional da Paz. A comemoração tem como objetivo sensibilizar as pessoas para a necessidade da paz no mundo e para a promoção de atos que tenham como resultado, entre outros, o fim dos conflitos entre povos, o cessar-fogo e a consagração da paz mundial. Refletir sobre a Paz e o papel que cada um de nós pode ter na sua construção é o principal objetivo, tendo em conta que falar dela e de como a conseguir, é falar de um conceito abstrato e que nos parece, à primeira vista, intransponível e de difícil concretização, pelo menos no que a cada um de nós diz respeito. 
A paz é muito mais do que a mera ausência de guerra, é o resultado de um esforço ativo, de todos, para o respeito dos Direitos Humanos, da resolução de conflitos e da coesão social. Todos podemos ajudar a construí-la, embora uns com um papel mais marcante do que outros:  Pais, Cuidadores, Educadores e Professores desempenham um papel particular na construção da Paz, através da forma como educam as crianças e jovens.
Como podem as crianças e os jovens construir a paz?
As crianças e os jovens até podem não saber bem como construir a paz, mas têm virtualidades susceptíveis de contribuir para que a mesma seja uma realidade.  Todos nós, independentemente da idade, podemos fazer alguma coisa, sendo que a primeira é que cuidemos dela sempre, todos os dias! Como?  Pondo em prática pequenas e simples atitudes como por exemplo: sorrir a alguém; fazer um elogio; dar um abraço; almoçar ao lado de um colega com quem nunca falámos; partilhar os nossos pensamentos positivos ou alguma coisa boa que nos aconteceu; ler uma história a um irmão/colega mais novo; fazer um favor ou ajudar alguém com uma tarefa; respeitar a opinião dos outros… ações simples, mas que são eficazes e contribuem efetivamente para a solução dos problemas; ações que definem um outro conceito que, por sua vez, começamos a ouvir cada vez mais ser necessário fomentar e ensinar - a empatia. 
E o que é a empatia?
A empatia é “a capacidade de nos colocarmos no lugar dos outros e que nos permite praticar a solidariedade, a gentileza, a generosidade e a noção de que cada um de nós deve ser um agente proactivo na consciência do mundo.” (Cidália Santos, psicóloga clínica). A PAZ EXISTE QUANDO somos empáticos com as emoções dos outros, especialmente com o sofrimento. Este torna-nos mais conscientes das nossas atitudes e das nossas escolhas. A escolha da não-violência, a escolha da inclusão e do respeito pelo próximo, a escolha do acolhimento e da noção da necessidade do outro, a escolha do diálogo livre, de sermos capazes de falar dos nossos sentimentos e pensamentos sem magoar os outros… Para terminar, lembro que, ao marcar a contagem decrescente para o Dia Internacional da Paz, o secretário-geral da ONU, António Guterres, divulgou uma mensagem onde pede o fim da violência, em especial do racismo.  O tema escolhido foi "Acabar com o racismo. Construir a paz”. 
Destaca, ainda, na sua mensagem a importância da promoção do diálogo, a proteção dos direitos humanos e a construção de “sociedades pacíficas e inclusivas”.