A importância do conhecimento

Zélia Fernandes

2021-02-18

Partilhe:


1-Agradar a Gregos e a Troianos é algo que, seguramente, nenhum árbitro consegue fazer, algo que tem ficado bem vincado nos últimos dias, em situações que marcam o futebol nacional, pela negativa. Desde os primórdios do futebol que as equipas de arbitragem servem de bode expiatório para muitas situações e são apontados como culpados, quando as equipas não conseguem vencer os seus jogos.  E muitas vezes são mesmo culpados, mas os erros que cometem não são tolerados, como quando um jogador falha um passe, um remate ou uma grande penalidade, ou quando os treinadores não entram em campo com a melhor estratégia ou erram na escolha dos jogadores. Esta culpabilização ganha ainda mais força, depois do aparecimento do vídeo árbitro, pois pelo menos nos lances mais duvidosos há agora a oportunidade de ver e rever as imagens e tomar a decisão mais acertada. Ainda assim, os erros, a discussão e até as ameaças aos árbitros continuam a marcar o futebol e todos os agentes envolvidos vão dando, infelizmente, o seu contributo, e a cada jornada acaba por se falar mais dos árbitros do que da prestação das equipas.  Após um dos lances que mereceu maior discussão nos últimos tempos, a expulsão de Luis Díaz, jogador do FC Porto, num jogo em Braga, Luciano Gonçalves, o presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, veio referir que seria importante todos perceberem, especialmente o público, quais as diretrizes que os árbitros recebem, do Conselho de Arbitragem da FPF, do IFAB ou da FIFA ou UEFA, os organismos que gerem o futebol e a classe. É uma boa dica, sobretudo para aqueles programas televisivos, em que se perdem horas em discussões que, por vezes, levam apenas a situações menos bonitas, entre os comentadores. Era importante que se apostasse mais na explicação, saber se existe alguma indicação para que aqueles lances sejam analisados daquela forma, e o árbitro esteve bem, ou então dizer-se que as indicações não são essas e foi um falhanço do árbitro. Mas que as explicações sejam dadas por quem percebe, alguém sem ligações aos clubes.  Que, sobretudo, impere o bom senso e que a discussão seja sobre o futebol praticado. 
2- Álvaro Pacheco foi eleito pelos seus colegas de profissão, o melhor treinador no mês de janeiro, na Liga 2 Portugal. Um destaque merecido e que está associado à boa prestação da sua equipa nesse mês, no campeonato, com quatro vitórias e um empate. Julgo que esta equipa do FC Vizela age muito à imagem do seu treinador, um homem emotivo e apaixonado pelo que faz e que vai incentivando, muitas vezes aos gritos, a sua equipa, até que consiga o resultado desejado. Tem sido conseguido na maioria das vezes, ainda que, por vezes, esta sua forma de estar no banco, durante um jogo, não seja compreendia pelas equipas de arbitragem, que já puniram o treinador. Como referiu em entrevista à Rádio Vizela, acredita que a partir de agora, as expulsões já não irão acontecer, pois, como diz, “os árbitros já me conhecem e sabem que não estou a gritar com eles”.  Em Moreira de Cónegos, o treinador Vasco Seabra também tem estado em destaque pela estabilidade que vai dando ao Moreirense. Duas vitórias consecutivas fora de portas e um empate diante do Benfica, em casa, nos últimos jogos, cimentam a posição da equipa na primeira metade da classificação. Apesar de tudo o que já aconteceu, sobretudo com a mudança de treinadores, adivinha-se uma segunda volta tranquila, nesta luta do clube por se manter no principal campeonato português.