A força do passado

Manuel Marques

2021-07-08

Partilhe:


Não sei quantos anos Álvaro Pacheco irá ficar por Vizela, porém é certo que ficará muitos anos ligado ao futebol nacional e quiçá internacional.
O treinador vizelense, de 50 anos, é mais do que conhecedor das regras de jogo e de táticas que dão vitórias atrás de vitórias. Num tempo em que o futebol ganha grandes espaços ao nível da teoria (futebol falado) e psicologia, Pacheco revela saber estar muito bem tanto no banco de suplentes de um estádio como no banco de um estúdio. É opinião geral!
Diz estar grato a seu pai pelos ensinamentos que recebeu e que os procura transmitir aos seus filhos e jogadores que trata como tal. Um homem que não esquece o passado, que está reconhecido a quem o ajudou outrora, é logo pessoa inteligente e líder por natureza. O contrário, não.
Numa das suas entrevistas, Álvaro Pacheco deixou claro que para muitos, sobretudo os amantes do futebol, o passado não conta. "Se não houver resultados positivos, há lenços brancos e assobios e os treinadores são despedidos. É injusto, mas no futebol é assim" - disse.
Há um provérbio chinês que diz: "Nunca voltes a uma casa onde foste feliz".
Acredito, no entanto, que Álvaro Pacheco voltará a ser feliz pela terceira época consecutiva no nosso amado Clube (tendo por meta a Liga Europa, digo eu!), e que os vizelenses jamais revelarão ingratidão para com um homem que merecia ter o seu nome inscrito numa rua de Vizela.
- Na triste partida do nosso grande amigo Mindinho, também outrora colaborador do FC Vizela, deixo um abraço sentido a toda a sua família e à família da Rádio Vizela.