Porta-chaves à venda para ajudar crianças da Namíbia

Save Namíbia é a campanha lançada pelo Rotary Club de Vizela. Consiste na venda de porta-chaves, a três euros a unidade, com o grande objetivo de apoiar a associação African Unicorn, sediada na capital da Namíbia, Windoek. Como ajudar? É o que explicamos aqui.

Na Namíbia, uma refeição fica por 30 cêntimos. Uma verba insignificante para muitos de nós, mas tratando-se de um país pobre de África a questão muda de figura, ainda mais depois da Covid-19 chegar. “Dado o cenário de pandemia e isolamento social, a Namíbia vive um momento crítico e de extrema pobreza e nas camadas sociais mais vulneráveis impera a fome”, explica Paula Oliveira, responsável pela Comissão de Serviços Humanitários do Rotary Club de Vizela.

O pedido de ajuda da associação African Unicorn chegou ao conhecimento dos rotários que, “com sentido de missão”, quer “ajudar esta comunidade, mitigando o risco de pobreza”. Assim surgiu a campanha de angariação de fundos Save Namíbia. “É feita através da venda de um porta-chaves, com o valor de três euros. Esta peça foi criada com uma enorme dose de carinho pelos jovens da AIREV que, apesar de algumas limitações, mostram-se pessoas de ação e solidárias no amor”, refere Paula Oliveira.

Os jovens da AIREV, através do seu projeto Marca d’Amor, fabricaram estes porta-chaves, que já se encontram à venda nos seguintes locais: AIREV, EB Enxertos, Escola Maria de Lurdes Sampaio Melo, ginásio Vizela Fitness, churrasqueira do senhor “Costa das Barracas”, For The Life, Grupo de Jovens de Infias, Paróquia de S. Miguel, Paróquia de Santa Maria de Revinhade, através da ação do padre Manuel Ferreira, Universidade Sénior do Rotary Club de Vizela, e em Guimarães no Centro Português de Investigação em Terapias Complementares (Cenif) e na Associação de Reiki para Crianças e Jovens.

Como referido, cada porta-chaves custa três euros, verba que será repartida entre a AIREV (um euro) e a African Unicorn (dois euros). Assim, tem a possibilidade de apoiar duas instituições que exercem um trabalho meritório nas áreas de abraçam, uma na deficiência e outra no apoio a crianças em situação de pobreza. “Estabelecemos como limite o início do mês de dezembro, esperamos que procurem o porta-chaves e nos ajudem a construir um Natal com dignidade para as crianças da Namíbia”, apela Paula Oliveira, que quis deixar também um agradecimento especial à AIREV, “que tem sido incansável nesta nobre missão da solidariedade”. “Esta peça, criada pelos jovens, é um símbolo de encontro, de altruísmo e de partilha”, sublinha Paula Oliveira.

Mais pormenores no RVJornal, esta quinta-feira nas bancas.

 

 

PUB___