Obra do Largo da Igreja vem dignificar Tratado de Tagilde

O Largo da Igreja está requalificado e agora preparado para receber comemoração dos 650 anos do Tratado de Tagilde.

Foi o início da mais velha aliança do mundo, que ainda hoje perdura. Portugal comprometia-se a ajudar João de Gante, Duque de Lencastre, contra Henrique II de Castela. Um facto histórico que o Município de Vizela pretende potenciar do ponto de vista turístico. As comemorações da passagem dos 650 anos sobre a assinatura do acordo só ocorrerão em 2022 mas, nesta altura, decorrem já os preparativos em colaboração com uma docente de uma universidade inglesa, pretendendo-se que, nessa altura, venha a verificar-se uma “transferência intercultural entre Vizela e o Reino Unido”, adiantou o presidente da Câmara Municipal de Vizela (CMV), Victor Hugo Salgado, esta manhã, aquando da inauguração das obras de requalificação do Largo da Igreja de Tagilde.

“Para que tal aconteça têm de continuar a apostar nas pessoas certa”, já havia referido, por sua vez, António Ferreira, presidente da União de Freguesias de Tagilde e S. Paio de Vizela, lembrando que ainda antes terão lugar Eleições Autárquicas. Aos presentes, o autarca lembrou ainda que, desde que assumiu a liderança da autarquia, teve sempre como objetivo a requalificação do centro cívico de Tagilde e que não descansou enquanto não viu o alcatrão substituído por pedra, numa calçada à portuguesa, de forma a dignificar o momento alusivo ao Tratado de Tagilde.

A obra visou a requalificação do Largo da Igreja, que incluiu também a criação de espaços verdes e de zonas de estadia, integrando o Plano de Ação de Regeneração Urbana de Vizela. A área de aparcamento automóvel foi transferida para a área localizada nas traseiras da Igreja, também ela intervencionada e agora transformada num parque de estacionamento mas também preparada para, no futuro, receber eventos ou outro tipo de festividades. Foram ainda realizadas intervenções nas vias circundantes, o que foi possível graças à doação de terrenos por parte de alguns particulares, nomeadamente na Ruela da Toutinheira e na Rua da Água Nova, e que receberam hoje o agradecimento público de António Ferreira.

No seu todo, em causa estará uma empreitada que ultrapassa os 200 mil euros, financiada em cerca de 134 mil euros, sendo o restante suportado entre a Câmara Municipal de Vizela e a União de Freguesias de Tagilde e S. Paio.

O seu resultado é do agrado do Padre Cândido Magalhães, que classificou este 08 de agosto como sendo “um dia memorável” para Tagilde. “Há aqueles que proclamam muito mas que não sabem executar, outros não proclamam tanto mas as obras vão nascendo. Essa é a grande diferença. Este Executivo tem esse dom e a todos impressiona. Sr. António Ferreira, quem me dera ter um presidente de Junta como o senhor na freguesia de onde sou natural. E estas palavras também são para o Dr. Victor Hugo Salgado”, salientou o pároco de Tagilde.

A troca de elogios foi uma constante entre toda a cerimónia. António Ferreira definiu o presidente da CMV como “um grande homem com muito futuro”. Depois ouviu da parte de Victor Hugo Salgado, que Tagilde tem “um presidente da Junta todo o terreno e que se dedica à freguesia a 100%”. Embora ausente, por motivos pessoais, a participação do vereador das Obras Públicas, Joaquim Meireles, neste projeto, também foi lembrada por várias vezes.

Ligação entre a Rua de Vila Corneira e a Rua das Portelas é para avançar até ao final do ano

Em Tagilde, Victor Hugo Salgado falou ainda de mudança de paradigma e de revolução silenciosa em prol da recuperação do tempo perdido. Afirmou que todo o investimento que tem vindo a ser concretizado, extensível a todo o território do concelho, só é possível graças à estabilidade política garantida pelo acordo pós-eleitoral entre Movimento e Coligação PSD-CDS/PP e pela boa relação institucional entre Câmara e as cinco Juntas de Freguesia.  Já no final, anunciou que, até ao final do ano, estará no terreno a criação da via que vai ligar a Rua de Vila Corneira à Rua das Portelas.