O talento pelo desenho da Beatriz convertido no BEArtes

BEArtes dá nome ao projeto de artes visuais de Beatriz Moreira. Tem apenas 14 anos, reside em Tagilde mas toda ela respira arte. Ela canta, toca guitarra mas, sobretudo, desenha, com especial inspiração nos desenhos animados japoneses. Para conhecer o seu trabalho basta clicar na página de facebook BEArtes.

O desafio é lançado, porque a Beatriz, apesar de muito jovem, demonstra já uma sensibilidade para o desenho não muito comum na sua idade. Por esta altura, frequenta o 9º ano da Escola EB 2,3/S de Infias e já antecipa a decisão que tomará no final deste ano letivo: “Vou ficar na mesma escola e seguir o curso de Artes”. “Sempre gostei de desenhar desde pequena, um gosto que foi evoluindo à medida que eu fui crescendo e que fui desenhando mais. Foi, a partir do 5 ano, que comecei a gostar de desenhos japoneses”, conta a adolescente, em entrevista à Rádio Vizela.

Criação de página no facebook aconteceu no primeiro confinamento

Na maioria das vezes, Beatriz retrata as personagens das suas séries preferidas, de que é exemplo “Boku no Hero Academia”, mas outras há que nascem da sua imaginação e acabam publicadas na página BEArts, que surgiu em abril de 2020, coincidindo com o início da primeira fase de confinamento de que Portugal foi alvo fruto da chegada da Covid-19. “Não foi coincidência. Como não tinha nada para fazer, eu achei o momento apropriado para criar uma página”, conta a jovem. E a mãe, Aldara Lima, lembra: “Houve uma fase, com o confinamento, que percebemos que a Beatriz estava a ir para baixo. Tentámos buscar o melhor dela para que ela pudesse vir para cima”. Hoje, temos uma mãe orgulhosa do percurso da Beatriz: “Sempre gostei de explorar a criatividade das minhas filhas e a Beatriz sempre foi muito das artes. Para nós é um orgulho ver que ela está a evoluir e a sentir-se feliz e realizada. Isso é o mais importante”.

O gosto pela animação japonesa

Para desenhar utiliza o lápis de cor normal mas prefere os da marca “Faber Castell” porque dão mais cor aos desenhos. Gosta ainda de utilizar o lápis aquarela, o marcador mas também o pastel de óleo. Costuma “viajar” também pela App Pinterest para recolher novas ideias, sendo que o gosto pelos desenhos japoneses não surgiu por acaso. O pai, Bruno Moreira, apresentou-lhe a série “Death Note” que gostava de ver quando era mais jovem e para a Beatriz foi amor à primeira vista: “Fui ver e adorei”. Hoje vai cultivando a BEArtes com o objetivo de sempre e que lhe foi induzido pelos pais: “Sempre me disseram que seria bom espalhar a minha arte para que as outras pessoas pudessem usufruir”. O feedback vai chegando aos poucos. “Têm dito que têm gostado muito dos meus desenhos e eu fico feliz por saber que há pessoas que apreciam a minha arte”, refere a Beatriz. E a mãe logo acrescenta: “E há muita gente que pede para ela fazer retratos”.
Há pouco tempo surgiu mesmo a oportunidade de ilustrar a história “O Guarda-Chuva da Coragem” – o trabalho final de uma licenciatura em Educação Básica. “Como sabia que eu gostava de desenhar, uma amiga da minha mãe falou-nos da possibilidade de eu fazer a ilustração da história e eu disse que sim. Correu bem. Gostei da experiência”.
Dos professores de Educação Visual tem recebido vários incentivos: “Dizem-me que tenho um bom caminho pela frente e que, se me esforçar, conseguirei tudo o que quero”. Dos pais, também nunca falta o apoio: “Os meus pais dizem-me que me dão todos os utensílios que eu precisar para fazer evoluir a minha técnica”.

Objetivo é seguir Design Gráfico

Parece não existirem muitas dúvidas sobre o caminho a fazer. Beatriz diz que depois do Secundário tem o objetivo de seguir Design Gráfico no Ensino Superior: “Eu gostaria de fazer os esboços em lápis e depois passá-los para a arte digital. Eu também gosto muito de jogos, gosto muito de jogar com o meu pai, e eu também gostava de criar personagens, que possam ganhar vida nos jogos”. Enquanto isso, Beatriz vai, passo a passo, alimentando a sua alma de artista, ora no desenho, ora na música. Nos últimos tempos tem passado o tempo a trautear Gayle e a música “abcdefu” que virou sucesso, enquanto busca inspiração para as próximas criações, que poderá espreitar na página BEArtes.

PUB___

MAIS NOTÍCIAS___