“Grande parte das pessoas com sintomas não fazem os testes”

Quem o diz é Victor Hugo Salgado, que afirma ter razões para continuar preocupado com a propagação da Covid-19.

Em publicação dada a conhecer ontem à noite na sua página de facebook, o presidente da Câmara Municipal de Vizela (CMV) afirmou não querer ser alarmista. Diz partilhar as suas preocupações para que as pessoas reforcem as medidas de segurança e auto-proteção.

Victor Hugo Salgado começa por lembrar que “a nossa região é uma das mais infetadas do país. A região Norte tem hoje mais mortes sozinha, 158, do que a totalidade das outras regiões do País em conjunto, 137”. Além disso, “estamos numa região de alta densidade populacional e de mão de obra intensiva, onde, contrariamente ao que acontece noutras regiões do país, o teletrabalho dificilmente se aplica, fomentando o contacto e a proliferação do vírus”.

Por outro lado, o presidente do Município refere que “o número de infetados apresentado diariamente é “errático”. Diz que “grande parte das pessoas com sintomas não fazem os testes e que existe um elevado número de pessoas assintomáticas, atendendo que alguns estudos apontam para que 81 em cada 100 infetados não apresentará sintomas, apesar de continuar a transmitir o vírus”. E logo depois afirma: “O País não tem testes. Não só não se conseguem testar todos que apresentem sintomas, como, na realidade, neste momento, temos um país que não consegue testar sequer os seus profissionais de saúde ou os mais vulneráveis, desde logo, os idosos”.

Victor Hugo Salgado também não entende como é que “estamos já com cerca de 5 semanas de pandemia em Portugal, em plena fase de mitigação, e, ainda, ninguém afirmou publicamente se se deve ou não usar máscara, algo tão elementar e que prova as várias contrariedades do sistema”.

Em suma, o autarca vizelense defende que, ao longo das últimas semanas, “ficou provada a ausência de um plano nacional de saúde pública eficaz, coordenado com todas as regiões do país, associada à ausência de uma estratégia de emergência social”.

Termina Victor Hugo Salgado afirmando que deseja muito que as ruas, as praças, o Parque das Termas e a Marginal Ribeira de Vizela se voltem a encher de pessoas, mas, para que isso volte a acontecer, todos terão de cumprir com as regras de um tempo de exceção: “Fique em casa! Por si! Por nós! Por Vizela! Fique em casa, por favor!”.