Enchente junto ao C. de Vacinação levou à presença da GNR

Situação verificada esta quinta-feira, dia 04.

Ao meio da manhã de quinta-feira, a GNR de Vizela deslocou-se ao Centro de Vacinação Covid-19, depois de constatar que várias pessoas se encontravam no local, sem o devido distanciamento de segurança. “Efetivamente, verificou-se um número elevado de pessoas no exterior do Centro de Vacinação de Vizela”, admitiu, esta manhã, à Rádio Vizela, Isabel Pereira, coordenadora da Unidade de Cuidados na Comunidade, do Centro de Saúde de Vizela, e responsável pelo Centro de Vacinação.

A responsável esclarece que este problema surgiu atendendo a que há pessoas que se deslocam ao local fora da hora determinada para a toma da vacina: “Eu aproveito a oportunidade para apelar às pessoas para que se dirijam à tenda, apenas caso sejam convocadas para a vacinação e apenas na hora em que lhes indicaram para estar presentes. Senão o que acontece é haver um aglomerado de gente nas imediações do Centro de Vacinação e acaba por acontecer o que se verificou no dia de ontem. Além disso, e porque estamos numa fase de pandemia, solicitava à população que respeitasse aquilo que é emanado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), que é respeitar o distanciamento social entre as pessoas”.

Segundo apurado por Isabel Pereira, outro problema que se terá verificado está relacionado com o facto de haver alguns atrasos de pessoas para a toma da vacina e que, por essa razão, são chamadas outras que já estejam no local, o que motivará algum desagrado entre os utentes: “Às vezes as pessoas chegam mais cedo do que é habitual e se nós não atendermos também as pessoas que vão chegando as pessoas acabam por se juntar mais, então tentamos fazer uma dinâmica de atender pela hora que está marcada, mas se, efetivamente, o utente da hora marcada não tiver chegado, deixar entrar aquele que chegou mais cedo, até para evitar um aglomerado de população”.

“Isto é um processo novo para todos nós, diariamente surgem situações menos boas, e que são analisadas na hora e, se possível, corrigidas e melhoradas. Além de todo um processo, às vezes, burocrático no Centro de Vacinação, porque às vezes demora mais tempo, outras vezes menos”, acrescentou.

 

Quinta-feira “foi um dia excecional”

 

Para Isabel Pereira, ontem “foi um dia excecional”, já que, até ao momento, o processo de vacinação “tem corrido dentro dos parâmetros normais”.

Depois de a GNR de Vizela ter chegado ao local, foi pedido apoio à Câmara Municipal, no sentido de reforçar a segurança: “Nós até tentávamos que as pessoas respeitassem a ordem e o distanciamento, mas estavam a ignorar as nossas indicações, portanto pedimos auxílio, desde já, também agradeço ao senhor presidente da Câmara de Vizela, que nos ajudou neste processo facilitando seguranças, no sentido de manter a ordem e que as pessoas respeitassem as indicações”.

Nesta fase, estão a ser vacinados os idosos com 80 ou mais anos de idade ou pessoas com idade igual ou superior a 50 anos, que tenham as seguintes patologias: insuficiência cardíaca; doença coronária; insuficiência renal; ou doença respiratória crónica sob suporte ventilatório. Segundo Isabel Pereira, ontem foram administradas 176 doses de vacinas e na semana passada 727 vacinas. No final desta semana serão administradas 462 doses. “Em duas semanas, aproximadamente, serão administradas 1190 vacinas”.

Isabel Pereira insiste no apelo: “Existe uma marcação, as pessoas são informadas da hora em que têm de estar aqui para serem vacinadas e, portanto, apelava é que se apresentassem no local apenas à hora indicada, sensibilizar as pessoas que não tenham receio, as vacinas vão chegar para todos, ninguém passa à frente de ninguém, existem regras emanadas pela DGS, pelo nosso Agrupamento de Centros de Saúde, que dá as orientações, portanto a vacina vai chegar a todos na hora devida, segundo as orientações que recebemos superiormente”.

Foto: arquivo

PUB___