Carlos Martins assumiu presidência do Rotary de Vizela

Xavier de Freitas passou a pasta a Carlos Martins, que assume a presidência pela segunda vez.

A continuidade do projeto dos desfibrilhadores será uma realidade no ano rotário 2020/21. A garantia foi deixada por Carlos Martins, que ontem assumiu a presidência rotária. Depois dos equipamentos entregues à Câmara Municipal de Vizela para ser colocado no Mercado Municipal, ao FC Vizela, e aos Agrupamentos de Escolas de Infias e de Caldas de Vizela, mais três serão oferecidos para equiparem as freguesias de Santa Eulália, Santo Adrião e Tagilde e Vizela (S. Paio).Para 2021, em maio, está previsto ainda o Convívio de Universidades Seniores, que teve que ser adiado devido à pandemia Covid-19. Duas das principais metas do mandato que agora se inicia.

A homenagem a António Fernandes

Pela segunda vez, Carlos Martins assumiu a presidência do Rotary Club de Vizela, durante a cerimónia de transmissão de tarefas, transmitida em direto através do facebook da Rádio Vizela, em parceria protocolada entre o clube e a estação emissora.

Na sua primeira intervenção como presidente rotário, Carlos Martins não quis deixar passar a oportunidade de endereçar palavras de apreço a Xavier de Freitas: “Temos que deixar uma palavra de apreço muito grande ao companheiro Domingos Xavier por toda a motivação que deu ao clube, toda a capacidade de gestão mas também não quero esquecer, tal como não se esqueceu, o seu Conselho Diretor do qual fiz parte”. “Não se esqueça, que a coordenação do Convívio de Universidades Seniores, que trará cerca de 600 pessoas a Vizela, é sua, já sabe, em ligação com o companheiro Manuel Pereira, que é o responsável da Comissão de Universidade Sénior do Distrito 1970”, disse ainda.

Depois centrou-se na homenagem aos companheiros que já partiram: “Vou falar num sócio que faria anos este domingo que vem. Fica esta nota de saudade pelo nosso companheiro António Fernandes pelo facto de nos ter deixado de surpresa, foi terrível. O clube deve-lhe esta homenagem, era um rotário de sete costados”. A homenagem em palavras foi acompanhada de um vídeo.

A ideia que incomoda 

O caminho para a desmistificação da ideia da sociedade em geral perante o Rotary, que é ainda visto como um grupo elitista, está a ser feito, mas não totalmente. “Se há ideia que me incomoda é sempre ser apelidado por fazer parte de um grupo que é demasiado especial para ser comum. Eu não sou assim. Sou um cidadão comum, tenho as minhas fraquezas, defeitos e manias, fases boas e menos boas, como qualquer pessoa. Um cidadão que tem as suas dificuldades em gerir contas, porque pagar é sempre complicado, mas que depois tem coisas boas na vida, e uma delas é fazer parte de um grupo que nos acolhe todas as semanas, e poder olhar para o lado e perceber que podemos fazer mais coisas para além de jantares e eventos de gente que possa ser elitista. Não acho que o Rotary Club de Vizela é um clube de elite e prova disso é que todas as profissões cabem aqui”, disse Carlos Martins.

Garante que, durante o próximo ano, o Rotary vai “continuar disponível para a comunidade, para o poder político e económico e para ser parceiros para várias ações que sejam úteis”.

Xavier de Freitas: “Saio com a mesma alegria que entrei”

Xavier de Freitas deixou ontem a presidência rotária “com a mesma alegria” com que entrou, ficando para trás um ano atípico, devido à Covid-19. A Agostinha Freitas, que esteve presente em representação da Câmara Municipal de Vizela, deixou um apelo: “Há projetos que vão passar para o ano, como é o caso do Convívio das Universidades Seniores que iria este ano juntar 25 grupos, caso não fosse a Covid-19. Espero que a Câmara mantenha o apoio para o podermos realizar para o ano”.

A cerimónia teve lugar no “Restaurante Águia D'Ouro”, com a presença dos sócios do clube e número limitado de convidados, respeitando as normas de saúde vigentes. Da cerimónia, destaca-se também a entrada do arquiteto Filipe Costa, como novo membro para o movimento rotário vizelense.