Banco Alimentar Contra a Fome com nova campanha

Neste fim de semana, nos dias 26 e 27, o Banco Alimentar Contra a Fome de Braga vai estar nos hipermercados do distrito com mais uma Campanha de Recolha de Alimentos.

Todo o distrito tem a oportunidade de contribuir com a doação de alimentos e com o seu tempo, como voluntários. O produto da Campanha será distribuído localmente - por todo o distrito de Braga - através de Instituições Privadas de Solidariedade Social, previamente selecionadas e acompanhadas ao longo de todo o ano pelo Banco Alimentar de Braga.

Decorrem ainda a Campanha de Doação Online - através do site www.alimentestaideia.pt - e a Campanha “Ajuda Vale” - nas lojas das várias cadeias de supermercados e hipermercados a operar no distrito.  A Campanha “Ajuda vale” permite a recolha de alimentos sob a forma de vales/cupões que representam alguns produtos básicos.

Campanha de recolha de alimentos por parte dos Bancos Alimentares Contra a Fome reveste uma importância determinante. Apela-se a um esforço de solidariedade adicional por parte de todos os portugueses em face de uma situação em que os rendimentos de muitas famílias mais carenciadas sofrem uma pressão acrescida devido ao forte aumento do custo de vida e subida das taxas de juro.

Dezenas de milhares de voluntários vão estar, como é habitual, presentes nos supermercados de norte a sul do país para proceder à recolha de bens alimentares generosa e solidariamente doados pelos portugueses, naquilo que constitui uma ajuda incontornável para mais de 400 mil pessoas, não só para que possam ter um Natal mais feliz, mas para que sobretudo possam alimentar-se suficiente e condignamente no dia-a-dia. Para além da campanha presencial dos dias 26 e 27, a recolha prosseguirá até 04 de dezembro através da possível aquisição de vales alimentares disponíveis nos supermercados ou de contribuições efetuadas no sítio na internet www.alimentestaideia.pt.

 “Esperança” é o mote a que se encontra subordinada esta campanha. Com a sua escolha o objetivo é sublinhar quanto cada pessoa, individualmente, no limite das suas capacidades, mais ou menos alargadas consoante a disponibilidade de cada um, pode contribuir para melhorar a vida dos outros, com um simples gesto de partilha, especialmente no contexto de uma crise económica e social que previsivelmente se agravará no decurso dos próximos meses. É por isso necessária uma solidariedade reforçada e um esforço coletivo adicional de todos os portugueses para que seja possível aos Bancos Alimentares contra a Fome darem resposta aos crescentes pedidos de ajuda das famílias portuguesas mais carenciadas.

Como resultado do esforço coletivo de entreajuda e solidariedade, os 21 Bancos Alimentares, em parceria com cerca de 2.600 instituições e entidades que atuam no terreno, já apoiam diariamente com a distribuição de bens alimentares mais 400 mil pessoas.

 

PUB___

MAIS NOTÍCIAS___