Editorial 07 de junho de 2018

Fátima Anjos

2018-06-07

Partilhe:


1.Vizela Romana

Vizela recebe este fim de semana mais uma edição da Vizela Romana, um evento que tem tudo para crescer, porque em devido tempo a Comissão de Festas, entidade organizadora, conseguiu envolver a comunidade educativa, fazendo desta iniciativa, uma festa da cidade, que serve não só para animar a comunidade e forasteiros mas, também, para preservar os elementos identitários desta cidade, um dia povoada por romanos.
Atualmente, a Vizela Romana tem já capacidade para proporcionar um importante estímulo à economia local e, no futuro, poderá ir ainda mais longe, o que poderá passar pela deslocalização do evento para outro local, como por exemplo, o Parque das Termas, para poder reunir condições para receber mais visitantes. Isto porque o centro da cidade é já muito pequeno para a dimensão alcançada por esta organização. Percebe-se que, isto a acontecer, tal exigirá da Comissão de Festas um esforço maior na cenografia e caraterização da área envolvente.
Mas se o objetivo for manter a Vizela Romana no centro da cidade, e respeite-se a vontade de quem lidera este grupo de trabalho, haverá condições para alargar a ação permanente do evento a outras artérias da cidade. 
Hoje a Viagem Medieval de Santa Maria da Feira é vista por muitos como o maior evento de recriação medieval histórica do país, mas nem sempre foi assim… O evento foi ganhando o seu espaço ao longo dos anos e hoje é a principal imagem de marca daquela localidade. Da última vez que lá estive de visita, não tive pernas para percorrer todo o recinto, nem tempo para poder experienciar todas as atrações. 
Por isso, acreditando na capacidade dos “nossos”, os vizelenses, acho que a Vizela Romana pode e deve crescer e nós cá estaremos para apoiar na sua divulgação.

2. Ciclovia Escolar

Entretanto, já arrancou o processo de votação do Orçamento Participativo Jovem 2018. São quatro as propostas a votação e sairá vencedora a que reunir mais votos. Não há dúvidas sobre isso. Importante será perceber a quem cabe a responsabilidade de apurar a sua exequibilidade e também a sua funcionalidade. Da proposta do ano anterior constava a criação de uma Ciclovia Escolar. Esta foi executada mas sobre a mesma já foram colocadas bastantes reticências…  Percebe-se o conceito e a importância de promover o uso da bicicleta junto dos mais novos, mas a criação de uma via paralela à Estrada Nacional serve, essencialmente, para fazer fluir o trânsito o mais rapidamente possível, dentro dos limites do Código da Estrada. Daí que nos atrevemos a dizer que circular naquela ciclovia só não será motivo para muita preocupação porque poucos se atreverão a fazer o percurso. Principalmente, os mais novos, para os quais esta se destina, porque os pais não se sentirão muito confortáveis para o permitirem.
Mas nunca é tarde para provar que nem sempre os ditados populares são uma verdade absoluta. Ou seja, “pau que nasce torto” pode vir a endireitar-te.