Chamar-se-á desenvolvimento local…

Jorge Coelho

2019-01-03

Partilhe:


Sendo Vizela uma cidade de pequena dimensão, qualquer intervenção no espaço físico é notada. 
Em breve, o “coração” da cidade vai ser transformado. E que transformação! Acredita-se que para melhor. Tudo indica, com a devida preservação e valorização do património. 
Pelo que se pode verificar, no projecto apresentado e disponível para consulta*, a Praça da República e o Jardim Manuel Faria vão ser devolvidos à cidade, às pessoas. Vão tornar-se locais mais aprazíveis. Mais bonitos, mais agradáveis de se passar e de se estar. 
Contudo, cada um(a) terá a sua opinião, podendo em Democracia transmiti-la livremente. E importa que seja transmitida a quem de direito, sendo que, quanto mais ponderada e fundamentada melhor. 
Isto porque, uma componente fundamental da implementação do desenvolvimento sustentável a nível local é ter as pessoas reunidas para identificar as necessidades de uma comunidade e, em seguida, trabalhar em direcção a soluções colaborativas.
Sendo que, a participação na tomada de decisões implica que os membros da comunidade determinem os seus próprios objectivos de desenvolvimento e tenham uma voz significativa na organização e administração do sector. E em termos culturais o controlo local é vital porque os residentes têm uma maior tendência para o fazerem em harmonia com as suas tradições culturais.
Assim, para que surja uma visão compartilhada, é necessário o envolvimento das múltiplas partes interessadas no processo de planeamento incluindo residentes, autoridades públicas e as empresas.
Portanto, tendo a Câmara Municipal de Vizela optado (bem) por um processo participativo, relacionado com requalificação e valorização de património com implicações na dinâmica social, cultural, económica e turística da cidade e até mesmo do Concelho, não terá a população local razões para agora faltar e mais tarde, ou tarde de mais, reclamar e/ou reivindicar por ter faltado a um dever, o de participar. 
Se ao que o sector público está a fazer bem se juntar a participação da comunidade local, que se deseja positiva e produtiva, a “isso” chamar-se-á (verdadeiro e completo) desenvolvimento local. 

*Ainda vão a tempo! Na Loja Interativa de Turismo de Vizela, Rua Dr. Alfredo Pinto - 42, até dia 15 de Janeiro.